Diferença de medo e fobia
Qual é a diferença de medo e fobia?
28 de junho de 2019
Você sabe quantos dos seus amigos na rede social, de repente, têm transtorno de ansiedade social ou fobia social? 
O que é fobia social ou transtorno de ansiedade social?
7 de agosto de 2019
Exibir tudo

O que é nomofobia?

Excesso de medo de ficar sem celular pode ser nomofobia

Nomofobia (do inglês, no-mobile-phobia) é uma sensação de angústia ou medo intenso de ficar sem acesso a recursos tecnológicos.

Nomofobia (do inglês, no-mobile-phobia) é uma sensação de angústia ou medo intenso de ficar sem acesso a recursos tecnológicos como telefone celular, computador e/ou internet. 

Aliás termo nomofobia é relativamente novo e os estudos sobre essa fobia ainda são recentes.

O que se sabe até agora é que os principais afetados por esse transtorno são os indivíduos pertencentes às Gerações X e Y

Surpreendentemente as crianças parecem já nascer conectadas, dedicando grande parte do seu tempo ao uso dessas ferramentas.

Um dos exemplos, são os jogos eletrônicos, que as crianças têm acesso desde pequenas e acompanha com entusiasmo o desenvolvimento de novas tecnologias.

Entretanto os portadores de Nomofobia podem apresentar  sintomas emocionais e físicos.

Sintomas emocionais:

  • angústia;
  • irritabilidade;
  • medo;
  • solidão;
  • ansiedade;
  • depressão;
  • tristeza entre outros. 

Sintomas físicos:

  • tontura;
  • náuseas;
  • aumento da frequência cardíaca;
  • dor de cabeça;
  • tremores;
  • sudorese;
  • insônia entre outros.

Podem apresentar também perda de energia, análogo a bateria do celular acabando.

Quando os sintomas listados começam a se manifestar ou quando uma pessoa do seu convívio começa a perceber esta necessidade, é hora de buscar ajuda de um profissional.

Conheça os tratamento disponíveis desenvolvidos pela psicóloga Nataly Martinelli.  

Mas como a Nomofobia interfere a vida das pessoas? 

Como afeta os Relacionamentos

Os relacionamentos podem ser afetados com o uso indiscriminado das tecnologias, não dando ouvidos e tampouco olhando para as pessoas que estão ao lado. 

Uma pessoa com esses sintomas passa a conviver em um mundo próprio, se afastando assim de quem está próximo. 

Como atrapalha o dia a dia no Trabalho 

Assim sendo no trabalho, o nomofóbico também pode sofrer consequências negativas, do uso exagerado e doentio mudando o foco. 

Um dos grandes problemas também é a dificuldade em atingir as metas para gerar resultados satisfatórios. 

Como prejudica a Vida Pessoal 

A nomofobia portanto pode desenvolver conflitos familiares, baixo rendimento escolar e/ou profissional, insônia, irritabilidade e angústia de estar sem celular. 

Além disso, pode desenvolver problemas físicos, como dores na coluna e rigidez no pescoço causados pela curvatura da cabeça ao estar em contato com esses aparelhos. 

Estudos mostram que pessoas mais jovens utilizam os smartphones com maior frequênciam. 

Isso reforça a ideia que se tem de os jovens com idades entre 18-24 anos serem mais propensos a nomofobia, seguido por usuários com idade entre 25-34 anos. 

Aliás apesar do público maior ser jovens, a nomofobia pode atingir qualquer pessoa que vincule essa ferramenta como motivo de vida. 

Como é o tratamento da Nomofobia? 

O tratamento para nomofobia envolve terapia, que tem com objetivo avaliar as causas desse comportamento e intervir de maneira efetiva. Às vezes, em algumas intervenções a medicação pode ser utilizada. 

Durante o tratamento o paciente é estimulado a se aproximar das pessoas, valorizar as conquistas, propor atividades de lazer de preferência físicas ou em ambientes que proporcionem contato com a natureza. 

Além disso, são recomendados ao paciente  aplicativos específicos para controle do uso exacerbado de aparelhos eletrônicos. 

E você, conhece alguém que apresenta esses sintomas descritos acima. Ou você mesmo, já passou por uma experiência parecida. 

Você pode agendar uma consulta clicando aqui.

Os psicólogos que têm interesse em aprimorar os seus conhecimentos no tratamento de fobias têm a possibilidade de fazer o curso “Realidade Virtual na Prática Clínica”.

Atenção: Nomofobia: vício em dispositivos móveis pode levar à depressão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *